CAPITAL CORP. SYDNEY

73 Ocean Street, New South Wales 2000, SYDNEY

Contact Person: Callum S Ansell
E: [email protected]
P: (02) 8252 5319

WILD KEY CAPITAL

22 Guild Street, NW8 2UP,
LONDON

Contact Person: Matilda O Dunn
E: [email protected]
P: 070 8652 7276

LECHMERE CAPITAL

Genslerstraße 9, Berlin Schöneberg 10829, BERLIN

Contact Person: Thorsten S Kohl
E: [email protected]
P: 030 62 91 92

FCS reúne lideranças da Câmara para discutir simplificação tributária

Notícias
Membros da FCS, representantes da UNECS e líderes na Câmara se encontram para debater propostas de interesse do setor de comércio e serviços (Foto: Maria Alice Monteiro/UNECS)

A Frente Parlamentar de Comércio, Serviços e Empreendedorismo (FCS) se reuniu nesta quarta-feira (27), em Brasília, para tratar de pautas do interesse do setor que estão em tramitação no Congresso Nacional, principalmente aquelas que tratam da simplificação e modernização do sistema tributário. No encontro, conduzido pelo presidente da FCS, deputado Efraim Filho (DEM-PB), foram debatidos o Novo Refis (PL 4728/20); o PLP 148/21, que trata da incidência do ICMS na movimentação de mercadorias entre estabelecimentos de mesmo contribuinte; e o Projeto de Simplificação Digital.

Para Efraim Filho, o encontro serviu para cumprir uma das missões da FCS, que é defender o empreendedor e valorizar quem produz no Brasil. “A ideia hoje foi tratar da desburocratização e simplificação de documentos usando, principalmente, tecnologia e automação”, explicou parlamentar.

Também estiveram presentes na reunião representantes das entidades membros da UNECS, como o presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), George Pinheiro, e o presidente da Associação Brasileira de Tecnologia para o Comércio e Serviços (AFRAC), Paulo Eduardo Guimarães, além do líder do Governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) e do líder do PSD, Antonio Brito (BA).

Representando a FCS compareceram a deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF), e os deputados Otavio Leite (PSDB-RJ), Darci de Matos (PSD-SC), Tiago Dimas (Solidariedade-TO), Alan Rick (DEM-AC), Zé Neto (PT-BA), Da Vitoria (Cidadania-ES), e Pedro Lupion (DEM-PR).

Paulo Eduardo Guimarães levou à reunião o detalhamento de uma proposta que institui o Estatuto Nacional de Simplificação de Obrigações Tributárias Acessórias. Conhecido como Projeto de Simplificação Digital, o texto é uma iniciativa da Associação Brasileira de Automação para o Comércio (AFRAC) e tem como objetivo diminuir os custos de cumprimento das obrigações tributárias.

“Hoje o Brasil gasta R$ 152 bilhões por ano com a manipulação de documentos das obrigatoriedades acessórias”, disse O presidente da AFRAC. “Esse é um número conservador. Para dar conta do emaranhado tributário do país, os empresários são obrigados a investir fortemente em equipe, gestão de documentos e data center e esse valor pode ser bem maior”, afirmou o dirigente.

Segundo Guimarães, o projeto cria um estatuto de simplificação que normatiza nacionalmente a execução e a criação de obrigações acessórias e cria um sistema nacional compartilhado entre União, estados e municípios”, disse. “A ideia é agilizar e baratear o sistema e assim aumentar a base de arrecadação de impostos”, complementou o presidente da AFRAC.

Durante a reunião, Efraim Filho fez um apelo aos parlamentares ao anunciar que o Projeto de Lei Complementar 178/2021, que institui o estatuto, já foi por ele apresentado à Mesa da Câmara. “O projeto visa simplificar a vida de quem mais produz no Brasil, por isso, esperamos conquistar o apoio do governo e do Congresso Nacional para aprová-lo com máxima celeridade”, afirmou o presidente da FCS.

Novo Refis – Outro tema de destaque do encontro de lideranças foi o PL 4.728/2020, de autoria do presidente do Senado, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Conhecido como “Novo Refis”, a proposta visa reabrir o prazo de adesão ao Programa Especial de Regularização Tributária (Pert).

O presidente da UNECS e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), José César da Costa, ressaltou a importância do PLP das obrigações acessórias e do PL 4.728/2020. “A simplificação do sistema tributário brasileiro é urgente. O PLP das obrigações acessórias possibilitará a diminuição da burocracia nas empresas, a modernização e padronização das cobranças, e consequentemente vai tornar o ambiente de negócios mais saudável e competitivo. O Novo Refis trará alívio à empresas, ao mesmo tempo que amplia a perspectiva de arrecadação no futuro próximo, passos fundamentais para o crescimento econômico do país”, disse.

Para Paulo Solmucci, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o Novo Refis é um tema urgente principalmente por conta da atual situação do setor que representa. “O Novo Refis é fundamental para a retomada dos pequenos e médios negócios. Com sua aprovação imediata evitaremos o desenquadramento de milhares de empresas do Simples, o que seria um caos”, ressaltou.

Para George Pinheiro, tanto o projeto da AFRAC, quanto o ICMS cumulativo e o Novo Refis são assuntos extremamente importantes, que precisam caminhar o quanto antes. “Isso é importante para dar às nossas empresas plenas condições de se recuperarem nos próximos meses. Por isso, contamos com o apoio de todos os senadores e deputados, não apenas, mas principalmente, daqueles que fazem parte da FCS”, disse.

ICMS – O grupo debateu, ainda, o PLP 148/2021, de autoria do deputado Tiago Dimas (Solidariedade-TO). A proposta altera a Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996, para vedar a incidência do ICMS nos casos de transferência de mercadoria entre estabelecimentos do mesmo contribuinte. “Esse projeto procura corrigir equívocos causados pelos imbróglios fiscais que atrasam as empresas. Já existe jurisprudência em relação à incidência do ICMS sobre o mesmo grupo econômico quando ele está presente em mais de um ente da federação. Nós estamos tentando criar uma lei complementar para regularizar essa questão”, explicou Dimas.

“O setor de comércio e serviços já tem uma carga tributária muito alta e, junto com a burocracia e a ineficiência do sistema, o que temos é uma demanda por horas de trabalho e alto custo de manutenção para quem quer pagar seus impostos”, salientou o presidente da FCS. “Espero que hoje tenhamos sensibilizado os parlamentares e o governo para que aprovem o mais rápido possível esses projetos e valorizar a vida de quem produz no Brasil”, concluiu Efraim Filho.

Assessoria de Comunicação da UNECS

Deixe um Comentário